Fazer jogos não é brincadeira!

Olá amigos!

Hoje vamos falar sobre a árdua tarefa de se criar um jogo de vídeo game.

Na reta final de meu curso de Design de Games tivemos de nos reunir em grupos, e tirar do papel uma ideia, transformando a em um game para PC ou Iphone/Ipad. Tendo em mente um antigo projeto de jogo no estilo “Nave” (Starfox, alguém?) sugeri ao grupo que o jogo fosse feito para a plataforma IOS, devido a sua facilidade na hora da distribuição, e assim começou nossa SAGA.

Depois de reuniões com a equipe, muita Coca cola e Pizza, começamos a montar os concepts artísticos das naves, nossos artistas de plantão produziram excelentes modelos 3D usando o Autodesk Maya, e em seguida partimos para o design no game play, e ai a coisa começou a ficar preta.

A engine usada no curso foi a UDK, que apesar de eu não simpatizar muito, devo admitir, tem boas ferramentas.

O UDK foi desenvolvido pela Epic Games (Unreal lembram se?) e é distribuído gratuitamente, porém sua interface não é muito amigável, apesar de toda a programação ser encapsulada por um console visual, onde por exemplo você apenas arrasta e “linka” uma variável a um evento (sendo assim é possível passar longe de uma tela cheia de códigos), todas as demais funções são bem complicadas, quando se entra no tenebroso campo da física então, as coisas ficam assustadoras, definir velocidade, colisões, incidência de luz etc. são tarefas árduas que exigem centenas de testes, e geram muitas frustrações.

Mas para aqueles que, assim como eu sonham em trabalhar na área, ver seu jogo mesmo que incompleto, cheio de bugs e glitchs é um sonho, uma emoção indescritível!

Se você também tem este sonho, corra atrás!

Mas não tenha a ilusão de que fazer games seja algo divertido, é preciso amar muito o que fez, muito empenho e noites mal dormidas, e mesmo assim muitas vezes aquele jogo no qual você vai dedicar horas e mais horas de sua vida, vai ser avaliado por um blog qualquer e receber um caminhão de criticas. Games são como filhos, agente cria com amor, mas depois deve haver o desapego, pois ele passará a pertencer ao mundo, um mundo cruel onde ele vai receber um 3/10 ou um comentário furioso.

É isso!

Ah! Além do UDK, outra engine 3D muito boa é a Unity, também free e com muito material disponível para estudar.

Pra quem ficou curioso, eis uma tela de nosso jogo “Spacial Knights”

Em breve mais histórias do obscuro mundo da criação de games!

Um grande  Abraço para meu amigo @Hemerson_X!!!

Sem o qual o jogo, provavelmente ainda não teria saído das catacumbas da minha mente!

Renato”Shinsei” Cientista Chefe do LabRpg

We are Back!

 

Anúncios

Mineiros, RPGs, browser-games e os novos paradigmas da internet

MineCraft.

Você com certeza já deve ter ouvido falar (ou talvez até já tenha jogado) . Pois bem Minecraft é a sensação do momento, um do jogos indies mais bem sucedidos, e mesmo estando em fase Beta ( e tendo um modo “Free”) tem vendido bastante, o suficiente para manter a equipe melhorando o jogo e tornando a experiência cada vez mais divertida, porém neste post não vamos falar sobre o jogo em si, mas vamos abordam uma nova tendência. Browser Games.

Em algum momento você já deve ter se deparado com os famosos “Jogos de página”, o mais antigo que posso me recordar, era um que um amigo  jogava, sobre bandidos ao estilo máfia wars da vida. Havia alguns “caminhos” que você você escolhia pra evoluir (coisas nada ortodoxas como trafico de drogas e prostituição) e cada caminho tinha itens que recebiam upgrades (ueba prostitutas Lv2!!! agora elas fazem hora extra!!! ), depois vieram batalhas espaciais, vampiros, lobisomens, gladiadores …  O tema poderia mudar, mas invariavelmente o sistema era o mesmo, você deveria esperar o tempo passar, para juntar algum tipo de moeda (stamina, dinheiro, urânio…) e com esta moeda comprar um upgrade de algum item, que te permitiria ganhar mais moeda e montar um exercito ou deixar o personagem mais forte. Estes jogos eram basicamente imagens estaticas e um contador regressivo que media quanto tempo era necessário esperar, com o tempo isso mudou, tecnologias como o Java permitem que jogos mais “complexos” possam rodar diretamente do seu navegador.

O primeiro jogo mais bem trabalhado que eu pude jogar foi o Runescape que é um dos MMORPGs mais jogados, tem uma jogabilidade divertida e gráficos 3D, outro jogo bem legal, mas que não possui a mesma fama é o Eternal Earth (que pelos resultados de busca do google não antdar muito bem das pernas), o que importa é que o jogo conta com gráficos bem trabalhados, uma jogabilidade bem próxima da utilizada pelos MMos de ultima geração (WSAD + mouse e números p\ra Skills) e também roda através do navegador.

Aqui todo mundo era um tipo de Animal (Homen raposa/coelho/garnizé)

Agora voltamos a falar de Minecraft, esse excelente jogo pode ser jogado de quase qualquer lugar pois basta você entrar no site e começar a jogar. Muitas desenvolvedoras perceberam este potencial, e passaram a criar jogos (por enquanto) para o publico casual, versões modernas dos antigos web-games (mas agora tem bonequinhos andando!), e como eles já aproveitam um banco de dados com milhares de usuários temos um novo conceito de MMO, que mantem uma mesma base de usuarios, mas que você não escolhe somente o “servidor”, hoje você cuida da sua fazendo no melhor estilo Harvest Moon (comparação nefasta, mas verdadeira), amanhã você explora Dungeons com seus amigos, tudo acessível  no mesmo local.

Seguindo a tendência da Cloud Computing em breve os jogos iram rodar diretamente nos servidores, isentando os jogadores da necessidade de máquinas mais fortes e tornando os Web games cada vez mais complexos e maravilhosos, algo como um Steam, onde uma vez logado, você possa desfrutar dos jogos que comprou em qualquer lugar, seja no patético Pentium da empresa onde trabalha ou do computador de casa. Este dia chegará em breve.

Vejo vocês na Dungeon mais próxima!

Renato”Shinsei” Cientista chefe do LABRpg

As Jobs de Final Fantasy: Gunner

Apesar dos mundos iniciais de Final Fantasy serem nitidamente medievais, a fantasia nos permite imaginar coisas fantasticas, como por exemplo armas de fogo em uma sociendade onde elas não deveriam existir ainda.  Apartir do jogo número 7 temos mundos onde armas de fogo são mais plausiveis, apesar da maioria dos herois e vilões ainda usar armas brancas, neste jogo somos apresentados ao membro mais icônico desta classe,

Vicent:


Não há muito o que dizer sobre esta job, eles usam armas de fogo, atacam a distância normalmente tem uma defesa baixa, mas ataques devastadores e são sempre muito estilosos. Em suas versões medievais podem aparecer com o nome de Engineer, como Mustadio em FinalFantasy Tactics.

As Jobs de Final Fantasy: Magic Knight

Os Magic Knights aparecem em vários FF, sendo a primeira vez em FF5.

Com um estilo que remete à arabia os MKs são uma classe versátil pois combinam ataques  físicos com magia. Sua habilidade de embuir suas armas com elementos os tornam tão atrativos quanto magos, já que existem vários inimigos que por possuir apenas vulnerabilidade mágica, tornam os combatentes meros atiradores de poções.

O maior representante desta classe é Steiner, o guarda costas da princesa garnet em FF9 (apesar de depender indiretamente da magia de Vivi).

Em Final Fantasy Tactics Advance temos uma classe Bagaa Gladiator, que possui tecnicas como Ice sword, Fire Sword e Ultima Sword.

Seguindo o exemplo dos Red Mages os Mks são um pouco mais fracos nos ataques físicos se comparados a combatentes ‘puros’ mas ainda sim são ótimos guerreiros, e com certeza não se tornam inúteis quando seu MP está baixo. Durante os jogos, esta classe também já foi chamada de: Mystic Knight, Sorcerer e Warmage.

As Jobs de FF

Hoje iniciarei uma serie de posts sobre as Jobs dos jogos de Final Fantasy.

A job da vez é: Red Mages

Red mages existem desde Final Fantasy1. Eles fazem o papel de faz tudo: Usam espadas, soltam magias brancas e negras, mas não fazem nada disso de maneira excepicional, sua aparência lembra a de um mosqueteiro. Normalmente são muito úteis no começo do jogo por sua versatilidade, mas pagão um alto preço, não tem acesso as magias mais fortes nem possuem um ataque alto se comparado à outros Melees, algumas habilidades lhe foram atribuidas depois, afim de tornalos menos dispensáveis, como Double Cast.

Renato”Shinsei”Cientista Chefe do Labrpg